A contraparte da poesia quixotesca

Fonte: Google Andante, o poeta, como o cavaleiro,Atravessa versos odisseicosentre a dolorosa jornada de seguir seus versos.Caminhante, o poeta, como o cavaleiro alado,Desafia gigantes e quimeras,as quais, sob a ponta da espadaExcalibur, são destruídos peloverso, tecido de sangue e suor.Amante, o poeta, como o cavaleiro da triste figura, sonha, enternecido, pela argutae misteriosa palavra, que... Continuar Lendo →

Relíquias do esquecimento

Gostava que me trouxesses, neste leito de espera e solidão, "flores – restos arrancados Da terra que nos viu passar unidos".

#Relicário

Na loira manhã, quaravam-se as roupas. #quarar #pensamentododia

Despedida

Despedida: s.f. Aquele que se despe da roupa que foi, das palavras ditas e vai.

As palavras

Fonte: O Segredo As palavras nunca envelhecem,na verdade, permanecem guardadasna gavetinha da memóriaempoeirada pelo tempo, pela pressa.As palavras nunca envelhecem,na verdade, escondem-se entre descaminhos,eclipsadas pela pressa de chegar,pelo "e se", pelo "quando tiver tempo".Tempo! O senhor das horasAs palavras nunca envelhecem,na verdade, perdem-se no ventoentre tempestades, dissabores e saudades.As palavras nunca envelhecem,porque, na verdade, permanecem... Continuar Lendo →

Memórias

Fonte: MdeMulher Músicas são memórias sonoras das lembrançasque carregamos no bojo da saudade.Traz à memória gostos, cores e sensações, Amores e momentos vestidos de pretérito. Músicas guardam quem fomosentre ritmos, versos, toadas...Encontros, despedidas, os tempos que não voltam mais Músicas são composições a embalaramores não correspondidos De repente, um pensamento entoa uma canção: Prazeres e... Continuar Lendo →

Imagens

Refletida em espelho imaginárioa criança que fuicarrega-me pela mão.Conduz-me por sonhos e memóriasSonhos de quem fuisonhei-meSonhos de quem jamais seriaPermaneciSonhos de quem, aprisionada, fuiAbsorviSonhos cujas realidades sorviDeixei-me Memórias de figuras inanimadasbrinquei de serMemórias para saber que fuicavalgueiMemórias de tardes tranquilas suspirei-meMemórias de beijos e bilhetescontemplei-meNarcisicamente, a meniname contempla e sussurra,em minha catedral,para seguirSonhos e memórias,imersos... Continuar Lendo →

A lua da minha janela

Fonte: Google A lua sobre minha janelaconvida-me às divagações de amores antigosÀ memória de jovens seduzidaspelo resplendor do satélite dos enamorados,cuja vida fora ceifada pelo desejode deter para si a lua do céu,a lua do mar. Ismália, a jovem, deixou-se,como eu,ser levada por encantos ememórias de amores antigos.Divagou, desvaneceu... Quanto a mim, sobre a janela,permaneço... Continuar Lendo →

Simplicidade

Fonte: Google. Jovens enamorados, na ânsia de declarar ditoso amor, inebriavam a escolha lexical:"Hei de amar-te, musa, ninfa de meus sonhos"Amor cavaleiresco requer preciosismo, sublimação.O amante platônico, aristotélico permaneceno etéreo, no vir a ser.A musa, a ninfa, inacessível, chorava copiosao amor vassalo. Onírica, carregava consigoa canção do alaúde. No cenário moderno, prático e diversomudam-se os... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: